Publicidade
Publicidade

ESTADO

Médicos presos na segunda fase da Operação Marcapasso deixam prisão mediante pagamento de fiança

07/12/17 09:18 | Atualizado em: 07/12/17 09:18

Os médicos Arnaldo Alves Nunes e Osvair Murilo Cunha, presos na última terça-feira, 05, durante a deflagração da segunda fase da Operação Marcapasso, foram soltos após serem ouvidos em audiências de custódia em Araguaína, norte do Tocantins.
O cardiologista Juan Fernando Tertones Cácere, que nem chegou a ser preso, teve o mandado de prisão revogado. Os três terão que pagar uma fiança de 100 salários mínimos, o equivalente a R$ 93,7 mil.
Na atarde da última quarta-feira, 06, a Polícia Federal cumpriu mais um mandado de prisão. A ação foi realizada em desfavor de EB Miranda Ara, gerente da empresa ST Jude que fornece produtos para o estado do Tocantins. Segundo informações da PF, ele foi preso em Manaus e será ouvido pelo juiz nesta quinta.
A segunda fase da Operação Marcapasso, investiga a Máfia das Próteses cardiológicas no Estado do Tocantins. Existe a suspeita de que os médicos presos, que são gestores no Hospital Dom Orione, em Araguaína, usavam notas fiscais de materiais reutilizados para receber dinheiro do SUS como se os itens fossem novos.