Eleições 2018

Ministério Público Eleitoral vai conferir declaração de bens de candidatos

15/05/18 17:01 | Atualizado em: 15/05/18 17:01

O Ministério Público Eleitoral (MPE Eleitoral) instaurou procedimento para apurar a veracidade das declarações de bens apresentadas pelos candidatos a governador do Estado do Tocantins nas eleições suplementares.

O procedimento tem como objetivo não só acompanhar a evolução patrimonial dos candidatos, mas também verificar o cumprimento dos requisitos para aplicação e gastos de recursos na campanha eleitoral, e é direcionado aos candidatos que declararam possuir dinheiro em espécie, Carlos Amastha, Mauro Carlesse e Kátia Abreu.

Declaração
Considerado um dos candidatos à prefeito mais ricos do Brasil em 2012, nas eleições suplementares o ex-prefeito Carlos Amastha (PSB) declarou este ano ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) um patrimônio de R$15.130.703, 86, quase seis milhões a menos do que sua última campanha quando declarou ter mais de R$21 milhões em bens.

O contrário do candidato, Vicentinho Alves (PR), senador de Porto Nacional declarou ter R$18.943.005,55, que quase dobrou seu patrimônio em comparação ao declarado na disputa em 2010, atestando possuir R$9 milhões e 600 mil.

Mauro Carlesse, governador interino e ex-presidente da Assembleia Legislativa teve um redução drástica em seu patrimônio, segundo declaração no TSE. Enquanto em 2014 Carlesse declarou a Justiça um patrimônio de pouco mais de R$32 milhões, este ano o candidato afirmou ter R$2,9 milhões em patrimônio.

A senadora Kátia Abreu (PDT) declarou ter R$3.851,00 milhões, enquanto Marlon Reis (Rede), declarou um patrimônio de R$1.080,00.