POLÍTICA

Carlesse tem candidatura deferida, mas TRE pode mandar polícia investigar possível falsificação de assinatura

16/05/18 14:17 | Atualizado em: 16/05/18 14:17

A Coligação “Governo de Atitude” teve o Demonstrativo de Regularidade de Atos Partidários (DRAP) e os registros individuais de Mauro Carlesse (PHS) e Wanderlei Barbosa (SD) deferidos pelo Pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-TO).

O julgamento aconteceu na manhã desta quarta-feira, 16, e a aprovação foi por unanimidade, pois todos os juízes seguiram o voto do relator, o juiz Adelmar Aires Pimenta da Silva.

As coligações "A vez dos tocantinenses", do candidato Vicentinho Alves (PR), e "Reconstruindo o Tocantins", de Kátia Abreu (PDT), entraram com pedidos de impugnação da chapa do Governador Interino sob o alegação de que a solicitação do registro foi feita fora do prazo. As coligações apresentaram copias das imagens de segurança que mostram pessoas ligadas ao candidato entregando documentação após o fechamento dos portões.

O advogado da coligação “A vez dos tocantinenses", Solano Donato, também questionou a veracidade das assinaturas presentes no DRAPS. “A Assinatura de um dia é uma e no outro dia já é outra diferente”, disse.

O relator destacou que os responsáveis pela protocolização dos documentos da Coligação “Governo de Atitude” estavam no horário determinado no Tribunal e que a suposta falsificação será investigada pela polícia.