Saúde

Palmas inicia vacinação contra sarampo e polio nesta segunda

03/08/18 17:39 | Atualizado em: 03/08/18 17:39

Inicia nesta segunda-feira, 06, a Campanha de Vacinação contra o Sarampo e a Poliomielite em todo o País. Em Palmas, a meta é vacinar 17.397 crianças na faixa etária de 01 ano a menores de 05 anos (até 04 anos, 11 meses e 29 dias). A campanha segue até 31 de agosto, com vacinas disponíveis nas 32 salas de vacinas da rede pública municipal (confira a lista abaixo). O Dia D da campanha será 18 de agosto, um sábado.

De acordo com a Central de Vacinas da Secretaria Municipal de Saúde, o Ministério da Saúde enviou 17.400 doses para a campanha. As doses da vacina oral contra poliomielite serão administradas em todas as crianças mesmo que já tenham recebido uma ou mais doses anteriormente, independente do intervalo entre a dose da rotina e a dose ser administrada na campanha. Já as doses de Tríplice Viral (Caxumba, Rubéola e Sarampo) a recomendação é não vacinar apenas as que foram vacinadas há menos de 30 dias, as demais estão aptas a se vacinar.

“A campanha de vacinação é indiscriminada, estando nessa faixa etária as crianças podem receber as vacinas. A vacina contra a poliomielite pode ser administrada independente de intervalo de doses anteriores até mesmo de outras vacinas. Já a vacina contra o sarampo, a única exceção mesmo é para as crianças vacinadas há menos de 30 dias, passou esse período já pode receber nova dose na campanha”, explica a enfermeira da Central de Vacinas, Juliana Araújo, lembrando que para esta campanha, será utilizado o sistema E-SUS para registro das doses aplicadas de vacina.

Poliomielite

A poliomielite e o sarampo são doenças de notificação compulsória e o País tem compromissos internacionais para erradicar e eliminar, respectivamente, estas doenças. No que se refere à poliomielite, esta é uma doença infectocontagiosa viral aguda, caracterizada por um quadro de paralisia flácida, de início súbito. Acomete em geral os membros inferiores, de forma assimétrica, tendo como principais características a flacidez muscular, com sensibilidade preservada, e a arreflexia no segmento atingido.

A transmissão ocorre por contato direto pessoa a pessoa, pela via fecal-oral (mais frequentemente), por objetos, alimentos e água contaminados com fezes de doentes ou portadores, ou pela via oral-oral, através de gotículas de secreções da orofaringe (ao falar, tossir ou espirrar). A falta de saneamento, as más condições habitacionais e a higiene pessoal precária constituem fatores que favorecem a transmissão do poliovírus.

O último caso de poliomielite no Brasil ocorreu em 1989 e desde 1990, não são registrados casos da doença, que é grave e foi responsável por danos irreversíveis para milhares de crianças no mundo.

Sarampo

O Sarampo é uma doença infecciosa exantemática aguda, transmissível e extremamente contagiosa, podendo evoluir com complicações e óbito, particularmente em crianças desnutridas e menores de um ano de idade. A transmissão ocorre de pessoa a pessoa, por meio de secreções respiratórias, no período de quatro a seis dias antes do aparecimento do exantema até quatro dias após.

Apesar dos esforços empreendidos desde o início do programa de eliminação da doença, nos últimos anos, casos de sarampo têm sido reportados em várias partes do mundo e segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), muitos países permanecem endêmicos para o sarampo, principalmente aqueles com baixa cobertura vacinal e bolsões de não vacinados. Daí a necessidade de realização da campanha de vacinação.

Contra indicações

A vacina poliomielite oral é contra indicada nas seguintes situações: crianças portadoras de infecções agudas, com febre acima de 38ºC; crianças com hipersensibilidade conhecida a algum componente da vacina, a exemplo da estreptomicina ou eritromicina; crianças que, no passado, tenham apresentado qualquer reação anormal a esta vacina; crianças imunologicamente deficientes devido a tratamento com imunossupressores ou de outra forma adquirida ou com deficiência imunológica congênita; crianças com história de paralisia flácida associada à vacina, após dose anterior da vacina poliomielite oral; crianças que estejam em contato hospitalar ou domiciliar com pessoa imunodeprimida.

Já a vacina tríplice viral (sarampo) é contraindicada nas seguintes situações: anafilaxia a dose anterior da vacina; crianças menores 05 anos de idade com imunodepressão grave por pelo menos 6 meses, ou com sintomatologia grave.

Ambas as vacinas são extremamente seguras.