ESTADO

Governo estuda forma de responsabilizar Investco por danos a ponte de Porto Nacional

Enchimento do lago teria reduzido vida útil da estrutura

12/02/19 08:30 | Atualizado em: 12/02/19 08:30

O secretário da Infraestrutura, Cidades e Habitação, Renato de Assunção, em entrevista coletiva concedida na tarde de ontem, afirmou que o Governo do Estado estuda a possibilidade de responsabilizar a Investco pelos danos na estrutura da ponte sobre o Rio Tocantins na TO-255, em Porto Nacional.

O gestor explicou que o enchimento do lago e a manutenção constante da estrutura de forma submersa contribuíram com a deterioração da estrutura. “Essa estrutura não foi feita para permanecer dentro da água, ela foi construída para suportar apenas o período de cheia do rio, e isso contribuiu com a redução da vida útil da ponte”, disse.

A ponte está interditada desde a última quinta-feira, 07, e a decisão final sobre a sua liberação só será tomada após a finalização dos estudos que estão sendo realizados na superestrutura.

Na semana passada um representante de um laboratório especializado realizou uma inspeção visual na ponte, em seu laudo ele defendeu a interdição e a liberação de tráfego apenas para carros de urgência e emergência, motocicletas, bicicletas e pedestres.

O secretário destacou que, por meio da Agência Tocantinense de Transportes e Obras (AGETO), o governo acelerou a construção dos atracadouros para a balsa e que os serviços devem começar dentro de até 20 dias. “Além disso também estão sendo estudadas formas que minimizem o impacto aos pedestres, uma das possibilidades é de

Valores

O secretário explicou que as discussões sobre o valor das tarifas na balsa ainda estão sendo realizadas pelo Governo, por meio da ATR, e a empresa que prestará o serviço através de um contrato de emergência. “Nesse momento é prematura falar de valores”, falou.

O gestor destacou que o Governo também estuda a possibilidade de subsidiar parte da tarifa. “Isso também não foi descartado”.


Liberação

A decisão para liberação do tráfego deve sair após a divulgação do relatório de vistoria, o que deve acontecer em 30 dias. “Ainda é muito cedo para dizermos se vamos conseguir liberar o tráfego ou se a ponte será interditada definitivamente”, disse.