MÚSICA

Projeto Vereda mantém viva a cultura popular regional

10/04/19 08:52:24 | Atualizado em: 10/04/19 08:52:24

O Projeto Vereda realizado na Escola Municipal Crispim Pereira de Alencar, em Taquaruçu, transforma as aulas de educação musical por meio do resgate histórico e cultural dos instrumentos musicais tradicionais, mantendo viva a cultura popular regional.

As aulas permitem que as crianças avivem o gosto pelos ritmos dos instrumentos tradicionais do Cerrado, em percussões e canções que fazem parte da cultura regional. Ritmos como os do baião, xote, catira e sússia ecoam pelo pátio da unidade e despertam cada vez mais o interesse dos alunos pela música produzida nas violas e rabecas, feitas de talos de buriti e linhas de pesca, e demais instrumentos. Os encontros acontecem duas vezes por semana, no contraturno das aulas regulares.

Diversas vozes do grupo, formado por 15 alunos, em diferentes faixas etárias e séries, complementam os sons dos instrumentos musicais e atraem a atenção de plateias até mesmo fora da escola. Em execução há quase três anos, o projeto deu tão certo, que segue fazendo história com mais de 50 apresentações realizadas, nos mais variados eventos da Capital e região.

Os pesquisadores e professores Diego Brito, Aline Reis e Alex Brusquets, contam que o projeto surgiu após um minucioso trabalho de pesquisa de resgate dos modos de produção dos instrumentos e também do repertório composto por cantigas que compõem o imaginário do sertanejo tocantinense. Brito afirma que foi necessário muito estudo, planejamento e adaptação didática, e que, o apoio e parceria de artesãos locais foram fundamentais.

Nas aulas de educação musical são agregados inicialmente conceitos de observação e prática, para um posterior trabalho com a teoria. A didática do projeto rende créditos que vão muito além do simples aprendizado instrumental. Resultados ligados ao comportamento dos alunos como o desenvolvimento da autoestima, concentração, disciplina, espírito de coletividade, autonomia e responsabilidade são notavelmente constatados e a cada dia surpreendem.


Já a Ana Paula Coutinho, 7º ano, que participa do projeto há um ano, relata que, por meio dele, além de conhecer a música, se apresentou em lugares que não conhecia antes, como o Parque Cesamar. Para Ruth Isabele Valadares, 9º ano, o gosto pelo canto a aproximou do projeto. Há dois anos no Vereda, se sente especial ao ser reconhecida como integrante das apresentações, afirmou.