Publicidade

Tocantins

PF prende investigado em operação que desarticulou quadrilha especializada em tráfico internacional de drogas

11/09/19 17:20:31 | Atualizado em: 11/09/19 17:20:31

A Polícia Federal cumpriu nesta quarta, 11, mandado de prisão preventiva expedido pela 4ª Vara Federal do Tocantins em desfavor de um dos investigados da
operação Flak, que havia sido colocado em liberdade no último dia 18 de julho.

A prisão foi decretada em razão de ameaças proferidas contra o representante da empresa nomeada como administradora judicial de parte dos bens apreendidos, responsável, dentre eles, por propriedade rural e rebanho.

A operação Flak foi deflagrada em fevereiro deste ano, com o objetivo de desarticular financeiramente organização criminosa especializada no transporte aéreo de grandes quantidades de entorpecentes para o Brasil, Estados Unidos e Europa.

Na época, foram cumpridos mandados nos estados de Tocantins, Goiás, Paraná, Pará, Roraima, São Paulo, Ceará e no Distrito Federal. Mais de 400 policiais federais dão cumprimento aos mandados. 

Durante a Operação a PF ainda solicitou à Justiça Federal o bloqueio de contas bancárias de aproximadamente 100 pessoas e empresas envolvidas, a apreensão de 47 aeronaves, o sequestro de 13 fazendas com mais de 10 mil cabeças de gado bovino e a inclusão de seis pessoas no Sistema de Difusão Vermelha da Interpol.

Segundo a investigação, que teve início há dois anos, no período compreendido entre meados de 2017 e 2018, foram realizados no mínimo 23 voos transportando em média 400 quilos de cocaína cada, totalizando mais de nove toneladas.

Os investigados devem responder, na medida de suas participações, por tráfico transnacional de drogas, associação para o tráfico, financiamento ao tráfico, organização criminosa, lavagem de dinheiro e atentado contra a segurança do transporte aéreo.

O nome da operação faz alusão a uma expressão utilizada pelos países aliados durante a Segunda Guerra Mundial para se referirem à artilharia antiaérea alemã.