Publicidade

CÂMARA DE PALMAS

Ainda repercute reunião sobre estacionamento rotativo

"Mas como suspender um estacionamento rotativo numa avenida tão confusa como a JK"?

09/11/19 11:57:42 | Atualizado em: 09/11/19 11:57:42

Depois da reunião na Câmara de Palmas,  na última quarta-feira, 30, pela Frente Parlamentar de Incentivo à Indústria e ao Comércio,  para tratar da regularização do estacionamento rotativo da Capital, o número dos descontesntes com o serviço aumentou sobremaneira. A lista dos motivos que desagradam é enorme. 

A complicada JK


O representante dos comerciantes, Elvio Quirino Pereira, falou sobre os problemas enfrentados na Avenida JK e pediu a suspensão dos serviços de estacionamento. “Os comerciantes da Avenida JK são visionários, montaram seus negócios, querem obter sucesso e expandir. Este projeto do estacionamento rotativo já está amplamente desgastado na sociedade e entre comerciantes, está atrapalhando o comércio da 104 Sul e 104 Norte. Nós queremos a suspensão imediata dessa confusão”, afirmou.Mas, como suspender um estacionamento rotativo numa avenida tão confusa como a JK? Se está ruim com a roatividade de veículos, imagina sem ela? O caos seria total. O que se pode fazer, é a adequação, mas nunca a suspensão.
A opinião de Silvan Portilho, presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Palmas (CDL), é diferente, "é necessário melhorar os serviços atuais a fim de minimizar os problemas. “Se a gente não consegue tirar de lá, vamos ensiná-los a trabalhar. Sabemos de todos os problemas que a Câmara e o Executivo também enfrentam com isso, além de nós. Se há problemas vamos organizar, trabalhar com o que temos, fazer o possível para funcionar e minimizar, até que se resolva isso judicialmente”, explicou.
O empresário Fabiano do Vale, presidente da FACIET, também se posicionou contrário ao estacionamento rotativo em vigor. “A Câmara, o Executivo, a população, os comerciantes, todos são contra. Não entendo como saiu a liminar, temos que unir forças, ir ao Judiciário pedir explicações. É uma empresa que trabalha mal, mal assessorada e qualificada. Eu precisei alugar um lote vazio para fazê-lo de estacionamento para não perder clientes. Temos que estudar um novo projeto, ouvido por todos, mas o atual é preciso eliminar”, ponderou.
O Secretário Municipal de Finanças, Rogério Ramos, esclareceu as dúvidas dos presentes quanto à atuação do Poder Executivo sobre o assunto. “Para esclarecer, com relação à prefeitura, nós não temos nenhuma relação com a empresa atual, principalmente financeira. O município tem muito respeito institucional, inclusive pela justiça, não podendo passar por cima de uma decisão judicial. Portanto, dentro do ordenamento jurídico, o nosso posicionamento é cumprir o que foi determinado, mesmo não estando de acordo com o formato atual. Temos tido pouco a fazer, mas tendo condições temos interesse absoluto em mudar o cenário atual”.
O presidente da Frente Parlamentar,

Reunião positiva

Diogo Fernandes (PSD), considerou positiva a reunião. “O resultado desta reunião foi positiva, pois compreendemos que a prefeitura está inteirada no assunto nas questões jurídicas que traçam o destino do estacionamento, declarado irregular. Ficou claro para todos nós que o cidadão não precisa pagar nem a multa nem o pagamento do estacionamento, pois a empresa não tem força jurídica e as multas não estão sendo confeccionadas. Esta empresa não serve e está totalmente irregular no cenário de Palmas”, enfatizou.