Publicidade
Publicidade
Publicidade

UNITINS

Professora do curso de Serviço Social é convidada a integrar equipe de pesquisa da Fiocruz

16/09/20 09:35:54 | Atualizado em: 16/09/20 09:35:54

A professora doutora Clarissa Alves Fernandes de Menezes, do curso de Serviço Social, do Câmpus Palmas, da Universidade Estadual do Tocantins (Unitins), foi convidada a integrar pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Ela participa como pesquisadora na equipe da pesquisa "Dimensões associadas da precarização do trabalho na Atenção Primária à Saúde no Brasil: conceitos, experiências e práticas para o seu enfrentamento".


O projeto de pesquisa foi aprovado no Edital 2020 do Programa de Políticas Públicas e Modelos de Atenção e Gestão do Sistema e dos Serviços de Saúde Fundação Oswaldo Cruz, e busca investigar as dimensões objetivas e subjetivas da precarização na Atenção Primária à Saúde, agravadas pela pandemia Covid-19 . Teve início em agosto de 2020 e terá duração de três anos.

A pesquisa é coordenada pela Drª Márcia Valéria Morosini, professora-pesquisadora da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio da Fundação Oswaldo Cruz (EPSJV/Fiocruz), e tem como coordenadora adjunta a professora Drª Márcia Teixeira da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) da Fiocruz. A equipe também é composta de pesquisadores da Fiocruz, trabalhadores do SUS e instituições de ensino nos municípios que serão estudados. Serão seis municípios estudados onde serão realizadas entrevistas com trabalhadores da equipe básica da Estratégia Saúde da Família, no Rio de Janeiro, Recife, Salvador, Palmas, Boa Vista e Porto Alegre.


“Conhecer para transformar. Assim compreendo o processo de pesquisa científica sobre o trabalho em saúde. No qual se pretende coletar dados, analisá-los e publicá-los, mas também buscar contribuir para transformar a realidade pesquisada. Nesse caso, estamos falando da realidade da atenção básica à saúde, tão importante para todos como um dos pilares do SUS. Buscaremos investigar a precarização da Atenção Primária à Saúde, que é agravada pela pandemia da Covid-19 e, principalmente, as condições de trabalho a partir da experiência dos profissionais que compõem a equipe básica da Estratégia Saúde da Família (ESF) nos munícipios estudados", explica a professora Clarissa.


A pesquisadora acrescenta que "para uma atenção básica à saúde de qualidade é preciso que seus trabalhadores tenham ambientes e condições de trabalho dignas, é o que buscaremos identificar e, posteriormente, refletir sobre possíveis melhorias tanto do atendimento quanto das condições de trabalho, já que caminham juntos”.


Os colaboradores dos municípios abrangidos na pesquisa têm como atribuições dentro do projeto: a participação no desenho da pesquisa, no planejamento das atividades e na realização do trabalho de campo; articulação com os movimentos sociais locais, identificação dos sujeitos das entrevistas, planejamento e realização das entrevistas com os trabalhadores da ESF dos municípios; participação na análise das entrevistas e dos resultados da pesquisa; na elaboração dos relatórios e artigos.